Novo Estatuto dos Guerreiros de Maria - 2023.

via Guerreiro

ESTATUTOS DO MOVIMENTO CATÓLICO "GUERREIROS DE MARYA"

PREÂMBULO

A Comunidade dos Guerreiros de Maria - um movimento católico mariano - nasceu na e para a Igreja Católica. Seu fundador é o P. Dominic Chmielewski, um salesiano. O movimento foi criado como uma resposta da Igreja em oração aos desafios contemporâneos enfrentados pela comunidade de fiéis e pelo mundo inteiro. Seu objetivo é formar homens jovens que, de acordo com a vocação recebida de Deus, seguindo o exemplo de Maria Imaculada Conceição, se tornem testemunhas fiéis de Cristo e, apoiados pela intercessão de São José, se esforcem para ser bons maridos e pais, cumprindo sua missão na Igreja e na sociedade.

O carisma mariano da Comunidade de homens prontos para lutar pelos valores e verdades mais elevados professados pela Igreja Católica nasce da entrega de Jesus Cristo por meio de Sua Mãe Imaculada, Maria. O caminho espiritual dos Guerreiros de Maria, baseado na Revelação Divina e nos ensinamentos da Igreja Católica, refere-se ao conteúdo da Constituição Dogmática sobre a Igreja Lúmen gentium Vaticano II: E enquanto a Igreja na pessoa do Santíssimo A Virgem Maria já alcançou a perfeição pela qual ela existe sem mácula e sem defeito, Os cristãos ainda estão se esforçando muito para vencer o pecado, crescer em santidade; portanto, eles erguem os olhos para Maria, que brilha sobre toda a comunidade escolhida como modelo de virtude. Meditando sobre ela com devoção e olhando para ela no luz do Verbo feito homem, a Igreja reverentemente penetra mais profundamente no o mistério supremo da Encarnação e se torna cada vez mais semelhante ao seu Noivo (No 65).

I. PDISPOSIÇÕES GERAIS

§1

1 O Movimento dos Guerreiros de Maria (doravante denominado Movimento), criado pelo Inspetor da Sociedade Salesiana da Inspetoria de Santo Adalberto, em Piła, foi estabelecido durante os encontros cíclicos de formação aberta para homens (clérigos e leigos), organizados pelos Salesianos de Dom Bosco em Ląd, no rio Warta.

2 O Movimento - com o consentimento das autoridades eclesiásticas relevantes e de acordo com as disposições da lei - opera na Polônia e também no exterior.

3 O Movimento não tem personalidade jurídica eclesiástica.

4 As atividades do Movimento são baseadas nas disposições do direito canônico, nos Estatutos e nas leis seculares relevantes.

§2

(1) Por razões pastorais, o Movimento está sujeito à Conferência Episcopal Polonesa, que aprova seus Estatutos e nomeia um de seus bispos como delegado da KEP para o Movimento, cooperando com o Inspetor - o superior da Inspetoria de Santo Adalberto em Piła - e o Moderador do Movimento.

(2) A entidade jurídica eclesiástica que supervisiona diretamente o funcionamento adequado do Movimento é a Sociedade Salesiana, Inspetoria Santo Adalberto em Pila, Rua São João Bosco, 1, 64-920 Pila.

3 O Movimento foi criado e funciona dentro do carisma salesiano, portanto, o Inspetor da Inspetoria de Santo Adalberto em Pila nomeia o Moderador do Movimento entre os sacerdotes salesianos e notifica a Conferência Episcopal Polonesa de sua eleição.

4 O principal centro do Movimento está localizado em Ląd nad Warta, no Centro de Espiritualidade e Cultura, Ląd nad Warta 101, 62-406 Lądek.

§3

Reunindo católicos ativos, o Movimento está total e incondicionalmente sujeito ao Papa, aos Bispos e aos Superiores Maiores da Inspetoria da Sociedade Salesiana de Piła em suas ações.

§4

O santo padroeiro do Movimento é São João Bosco - fundador da Sociedade Salesiana e da Família Salesiana, um santo da Igreja Católica.

§5

As atividades do Movimento em determinadas dioceses da Igreja Católica exigem a aprovação formal do bispo do local.

§6

O Movimento pode usar seu próprio logotipo como emblema (modelo de logotipo no §22).

II. CCHARISMAT RUCHU

§7

1 O carisma do Movimento é imitar na vida cotidiana as virtudes da Bem-aventurada Virgem Maria e a total entrega pessoal ao seu Imaculado Coração e à sua proteção, para a maior glória de Deus, da Igreja e para a vitória do Imaculado Coração de Maria.

O principal objetivo do Movimento é fazer com que seus membros cresçam em fé, esperança e amor, para a maior Glória de Deus e para o benefício de Sua Santa Igreja, e formar homens - de acordo com o ensinamento da Igreja Católica - para serem bons cristãos e maridos e pais responsáveis. O caminho que leva a esse objetivo é uma vida sacramental combinada com a reverência à Santíssima Virgem Maria e a prática de devoções reconhecidas pela Igreja, especialmente aquelas em reparação ao Imaculado Coração de Maria.

3 Ao perseguir a missão da Maria Guerreira, os membros do Movimento se referem aos ensinamentos de São João Bosco, em particular:

a) o sistema preventivo (preventivo e educativo), um método de educação que não se baseia na coerção, mas no potencial de bondade, razão e religião que o jovem traz dentro de si. O educador, respeitando plenamente o livre arbítrio do jovem, aproxima-se dele para acompanhá-lo no caminho do crescimento autêntico. O sistema preventivo consiste em antecipar as ações do aluno para não levá-lo a fazer algo errado;

(b) devoção sem reservas a Jesus Cristo (Salus Credentium) e aos cuidados da Imaculada Virgem Maria (Auxilium Christianorum).

4 Os membros do Movimento, aceitando o dom do Redentor da Cruz: "Eis aí a tua Mãe" (Jo 19,27), confiam-se e entregam-se totalmente à Imaculada para a própria santificação e para cooperar com a sua missão materna de orientar o coração de cada pessoa para Cristo. O próprio Cristo, no Calvário, realizou o primeiro ato de entrega, entregando o discípulo a Maria e Maria ao discípulo (cf. Jo 19,25-27), de modo que a vida do discípulo é, a partir daquele momento, marcada por sua presença materna (cf. RM 45).

5 Os objetivos intermediários são:

(a) a formação de homens em sua responsabilidade pela família e pela sociedade;

(b) preocupação com o crescimento espiritual dos homens e de suas famílias;

(c) apoiar os casais na superação de quaisquer dificuldades;

(d) desenvolver, apoiar e reforçar a atitude de marido e pai;

e) formar homens em sua identidade católica, de modo que estejam prontos para lutar pelos mais altos valores e verdades professados e proclamados pela Igreja Católica.

6 As tarefas realizadas pelos membros do Movimento no exercício de qualquer função no Movimento se enquadram na categoria de trabalho voluntário e, portanto, são realizadas sem remuneração.

§8

O Movimento persegue seus objetivos por meio da formação de seus membros e de atividades apostólicas.

1. Formação espiritual e intelectual

A formação espiritual e intelectual dos membros do Movimento é de responsabilidade do Moderador do Movimento e dos Guardiões Espirituais dos grupos individuais. A formação dos membros do Movimento é realizada especialmente por meio de:

(a) participação ativa e sistemática na vida sacramental da Igreja (Eucaristia e Confissão frequentes) e Adoração ao Santíssimo Sacramento;

(b) ler e meditar na Palavra de Deus;

(c) outras formas de oração pessoal, nas quais a oração do rosário ocupa um lugar especial;

(d) a prática da devoção constante à Santíssima Virgem Maria e a participação nos serviços de reparação nos primeiros sábados do mês;

(e) trabalhar para dominar seus próprios pecados e fraquezas por meio de oração, jejum e atos de penitência;

(f) um retiro pessoal de 33 dias, seguindo a prática espiritual de São Luís Maria Grignion de Montfort, em preparação para o ato de confiar-se a Jesus por meio do Imaculado Coração de Maria;

g) participação sistemática em reuniões de formação (regionais e nacionais) e envolvimento na preparação de eventos organizados pelo Movimento;

h) expandir o conhecimento contido no Catecismo da Igreja Católica, os ensinamentos do Magistério da Igreja e a orientação de São João Bosco.

2. Formação humana

Um membro do Movimento também é obrigado a:

(a) construir os relacionamentos corretos em sua família;

(b) construir boas relações em todo o Movimento e fora dele;

c) participação ativa no Movimento e na vida da Igreja Católica;

(d) autodisciplina;

(e) dar bom testemunho por meio de sua atitude em relação à vida;

(f) cuidar de uma boa condição física e mental.

§9

(1) As principais tarefas do Movimento, realizando assim a atividade apostólica no sentido mais amplo, são, antes de tudo, o testemunho diário dado à vida evangélica, combinado com a oração comunitária e pessoal, especialmente pelos pastores da Santa Igreja: Papa, Bispos, sacerdotes e pessoas consagradas, bem como pelas intenções dos matrimônios e das famílias, e pela formação espiritual e intelectual (em espírito de serviço).

2 As tarefas do Movimento incluem:

a) apoiar uns aos outros, tanto espiritual quanto materialmente (especialmente em situações difíceis de sofrimento);

(b) defender a santidade da vida humana desde a concepção até a morte natural;

(c) defender o caráter sagrado do casamento como uma união entre um homem e uma mulher, caracterizada pela unidade, fidelidade e indissolubilidade;

(d) participar da vida de sua comunidade paroquial e cuidar de suas necessidades;

(e) cuidados com as igrejas paroquiais;

(f) cuidado especial com as imagens da Santíssima Virgem Maria em igrejas, capelas e casas;

(g) auxiliar a comunidade paroquial na organização de serviços, celebrações e eventos litúrgicos (como os primeiros sábados do mês, procissões de Fátima, Via-Sacra);

h) organização de reuniões de formação e integração de famílias conjuntas;

i) empreender a cooperação com outros grupos paroquiais, instituições eclesiásticas e seculares e autoridades locais, sempre respeitando o carisma do Movimento.

§10

Os membros do Movimento, por meio de oração diária constante, desenvolvimento espiritual e atividades no Movimento, usam os aspectos positivos que adquiriram para testemunhar em suas vidas diárias.

III. Estruturas organizacionais do Movimento

§11

1. Moderador do Movimento - Um sacerdote nomeado entre os sacerdotes salesianos e apresentado à Conferência Episcopal Polonesa. Se necessário, a nomeação pode ser consultada previamente com o delegado da EPC para o Movimento. Ele dirige todo o Movimento em todas as suas manifestações. O Moderador do Movimento, junto com os Guardiães Diocesanos do Movimento, responsáveis pelos Guerreiros de Maria em cada diocese, e com o Conselho de Coordenadores, prepara o plano de formação do Movimento, cuida de sua implementação e é responsável pela presença do Movimento na vida e na missão da Igreja.

2. Coordenador Diocesano do Movimento - um dos padres da diocese, designado pelo Moderador do Movimento.

3. Coordenador de tráfego - Passado Guerreiro de Maria, responsável por coordenar o trabalho dentro da comunidade, supervisionando os grupos e líderes regionais e o processo de formação em todo o Movimento. Trabalha diretamente com o Moderador do Movimento, o Conselho de Coordenadores e os Líderes Regionais.

4. Conselho de Coordenadores de Movimento - um grupo dos Mary Warriors mais experientes, cuja tarefa é apoiar todas as iniciativas e eventos do Movimento e o funcionamento adequado do Movimento. Os membros do Conselho trabalham em estreita colaboração com o Moderador e o Coordenador do Movimento.

5. Líder regional - Passado Guerreiro de Maria - é responsável pela comunicação adequada dos grupos em uma região que abrange uma ou mais dioceses. Trabalha ativamente com o Coordenador do Movimento.

6. Líder do grupo - Passado Guerreiro de Maria - supervisiona diretamente a formação do grupo, trabalha em estreita colaboração com o Coordenador e o Líder Regional, de acordo com as diretrizes do Moderador do Movimento e do Conselho de Coordenadores.

7. Guardião Espiritual do Grupo - um sacerdote que, com a aprovação de seu Superior Ordinário ou religioso e em estreita cooperação com o Supervisor Diocesano e o Moderador do Movimento, cuida do desenvolvimento espiritual do grupo. Ele realiza essa missão até sua renúncia ou demissão pelo Ordinário ou superior religioso. Uma solicitação formal para a nomeação de um Guardião Espiritual do Grupo, dirigida ao Ordinário do local ou ao superior religioso, é feita pelo Líder do Grupo.

§12

Aderindo ao movimento

1 Qualquer homem maior de idade que tenha a intenção sincera de servir ao Senhor Deus e que deseje confiar-se completamente a Jesus Cristo por meio do Imaculado Coração de Maria pode participar do Movimento.

(2) No caso de clérigos e membros de institutos de vida consagrada ou sociedades de vida apostólica, é necessário o consentimento de seu próprio bispo ou do superior maior de uma pessoa consagrada para participar do Movimento.

3 Para o bom funcionamento do Movimento e sua formação, o Moderador do Movimento trabalha em estreita colaboração com o Coordenador do Movimento, o Conselho de Coordenadores e os Guardiões Diocesanos.

4 A participação no Conselho de Coordenadores é decidida pelo Moderador do Movimento após consultar o Coordenador do Movimento e os outros membros do Conselho de Coordenadores.

5. o Conselho de Coordenadores não está sujeito a um mandato.

§13

A participação em reuniões nacionais ou regionais não é o mesmo que ser membro do Movimento. A responsabilidade especial pelo carisma do Movimento recai sobre os membros com passaporte do Movimento.

§14

1 Um membro pleno do Movimento Católico, um Guerreiro Aprovado de Maria, pode se tornar um homem que:

(a) tenha concluído todo o processo de formação de acordo com as regras estabelecidas;

(b) tenha recebido um parecer favorável do Líder do grupo em que estava se formando;

(c) tenha sido aprovado na entrevista fraterna (descrição no Apêndice 2);

(d) participou da cerimônia de passagem, ou seja, fez o Juramento da Espada (o texto do juramento está no Apêndice 1 dos Estatutos);

2 O Guerreiro de Maria continua e aprofunda sua própria formação após a cerimônia solene do passaporte e, uma vez por ano, é obrigado a renovar seu Juramento da Espada.

§15

1. um homem pode ser admitido no rebanho que:

a) tenha entre 18 e 50 anos de idade (esse requisito não se aplica a sacerdotes e pessoas consagradas);

(b) tenha passado por um período de formação de pelo menos 3 anos, conforme exigido pelo Código Warrior (consulte o Apêndice 3 para obter a descrição);

(c) participa ativamente da vida sacramental da Igreja;

(d) reza uma parte do Santo Rosário todos os dias;

(e) fez um retiro de 33 dias em preparação para se entregar a Jesus pelas mãos de Maria e fez um ato de entrega;

(f) familiarizar-se com o material de treinamento fornecido nas reuniões regionais.

§16

Título Guerreiro Honorário de Maria é aprovado pelo Moderador do Movimento após recomendação do Conselho de Coordenadores. Essa é uma pessoa com méritos especiais para todo o Movimento.

§17

Método e princípios para a seleção de coordenadores e líderes

1 O Coordenador do Movimento, os Líderes Regionais e os Líderes de Grupo são eleitos para um mandato de três anos, com a possibilidade de prorrogação em situações excepcionais para o bem do grupo em formação. A avaliação da situação e a decisão de prorrogar o mandato cabem ao Moderador do Movimento.

(2) Uma nova pessoa será nomeada para cada novo mandato.

3 O Coordenador do Movimento é nomeado e demitido pelo Moderador do Movimento após consulta prévia aos membros do Conselho de Coordenadores.

4 A decisão de estabelecer um Líder Regional e um Líder de Grupo é tomada entre o Conselho de Coordenadores e o Moderador do Movimento. Na ausência de unanimidade, a decisão final cabe ao Moderador do Movimento.

5 Por decisão do Moderador do Movimento e do Conselho de Coordenadores, o Coordenador do Movimento, os Líderes Regionais e os Líderes de Grupo podem ser demitidos de seus cargos antes do final de seu mandato.

§18

1 As tarefas específicas do líder do grupo incluem:

a) obediência às decisões do Moderador do Movimento e dos sacerdotes (Guardiões Espirituais dos grupos);

(b) trabalhar em estreita colaboração com o Líder Regional, o Coordenador do Movimento e o Conselho de Coordenadores;

(c) preparar e conduzir, em estreita cooperação com o Supervisor Espiritual do grupo, as reuniões regulares de formação do grupo, de acordo com as diretrizes fornecidas no Código;

(d) a formação de candidatos como Guerreiros de Maria, de acordo com os estatutos do Movimento;

(e) preocupação com as relações fraternas dentro do grupo;

(f) zelar pela disciplina, pela ordem e pela aplicação das regras estabelecidas pelo Movimento.

(2) Cada grupo do Movimento tem um Conselho de Grupo, composto por pessoas com maior senioridade e experiência, que apóiam o Líder do Grupo em todos os assuntos relacionados ao funcionamento do grupo.

(3) Cada Líder de Grupo, juntamente com o Conselho de Grupo, elegerá, dentre os membros do Movimento, o seu representante para auxiliá-lo na execução das tarefas estatutárias e na organização de reuniões. O Vice-Líder ocupará esse cargo até ser demitido pelo Líder do Grupo ou pelo Coordenador do Movimento.

§19

Método de criação de novos grupos de Movimento

(1) O processo de formação de um novo grupo começa com a notificação do desejo de formar um novo grupo ao Líder Regional da diocese em questão. Na ausência de uma Mary Warrior aprovada, o Líder Regional é encarregado da função de organizador interino do grupo.

2 O líder ou organizador do grupo, juntamente com o Guardião Espiritual do grupo, deve iniciar o processo formal para obter a aprovação do Bispo do local para a formação de um novo grupo do Movimento.

3 Depois de obter as aprovações necessárias do bispo do local, do moderador do movimento e do coordenador do movimento, o grupo inicia o processo de formação como Guerreiros de Maria.

§20

Passaporte para o Mary's Warrior

(1) Após o período de formação exigido e tendo cumprido todos os requisitos estabelecidos no §14, os homens podem proceder à Passagem da Espada como Guerreiros de Maria. A passagem é realizada em uma cerimônia, cujos elementos principais são a Eucaristia e a leitura do Ato de Juramento da Espada.

(2) O candidato entra no passaporte com sua própria espada - um símbolo da luta ativa pelo reino da ordem de Deus, especialmente a luta espiritual contra o próprio pecado e as tentações satânicas.

§21

Cancelamento da filiação ao Movimento

1. a filiação ao Movimento será interrompida em decorrência de:

(a) renúncia voluntária notificada ao líder do grupo;

(b) remoção, ou seja, expulsão, por persistência em uma atitude moral inferior;

(c) para enfraquecer os ensinamentos da Igreja Católica ou para promover conteúdo contrário a esses ensinamentos;

d) falta de participação ativa na vida do Movimento, em reuniões regionais e nacionais.

(2) Os motivos para a expulsão também podem ser:

a) Falta de obediência ao Moderador do Movimento, aos Guardiões Espirituais dos grupos e aos Líderes do Movimento (Coordenador do Movimento, Conselho de Coordenadores, Líderes Regionais e Líderes de Grupo);

(b) agir em detrimento do Movimento, o que pode resultar no rompimento da unidade do Movimento.

3 A decisão sobre a remoção será tomada em última instância pelo Moderador do Movimento, em consulta com o Coordenador do Movimento e o Conselho de Coordenadores.

4 O líder do grupo notifica a pessoa em questão sobre a decisão do Moderador do Movimento e do Conselho de Coordenadores, informando a data de afastamento do Movimento. Se necessário, as informações sobre o afastamento são enviadas para:

(a) os membros do grupo (de acordo com o removido);

(b) Líderes de grupo;

(c) o delegado do EPC para o Movimento.

(5) Uma pessoa afastada do Movimento não pode usar nenhum emblema do Movimento dos Guerreiros de Maria. Também não lhe é permitido participar de reuniões regionais e nacionais do Movimento.

IV. Disposições finais

(1) As emendas aos Estatutos podem ser feitas pelo Inspetor da Sociedade Salesiana da Inspetoria de Santo Adalberto em Pila, sob proposta do Moderador do Movimento. Para serem válidas, as mudanças requerem adicionalmente a aprovação da Conferência Episcopal Polonesa.

(2) Em assuntos não regulamentados por estes Estatutos, serão aplicadas as disposições relevantes da lei canônica ou secular aplicáveis ao assunto em questão.

(3) O Movimento dos Guerreiros de Maria pode ser dissolvido por uma decisão do Superior da Inspetoria da Sociedade Salesiana de Santo Adalberto em Pila, de acordo com a Comissão Episcopal Polonesa, após consulta prévia ao Moderador do Movimento e ao Conselho de Coordenadores do Movimento.

4 Lista de materiais adicionais relacionados às atividades do Movimento:

(a) Fórmula do Juramento da Espada;

(b) Código do guerreiro de Mary;

c) Programa de Formação de Guerreiros de Mary.

§22

Sinal gráfico usado como emblema no Movimento dos Guerreiros Marianos

guerreiros de marya

§23

Explicação do símbolo gráfico do Mary's Warriors Movement (Movimento das Guerreiras de Maria)

ESPADA - um símbolo da batalha espiritual contra o pecado, Satanás e as fraquezas masculinas, que são tão destrutivas para o casamento e a família atualmente. Espadas foram empunhadas por anjos em muitas visões de místicos e santos como atributos da batalha espiritual contra o mal.

Além disso, elas são uma referência à tradição do ethos da cavalaria medieval (defesa dos mais fracos, respeito especial pelas mulheres, o código de honra da cavalaria). Algumas citações:

"Herói, amarre sua espada no quadril, seu orgulho e adorno! Suba alegremente em sua carruagem em defesa da fé, da humildade e da justiça, e deixe que sua mão direita lhe mostre grandes feitos!" (Sl 45:4-5)

"E virei-me para ver que voz me falava; e, virando-me, vi sete castiçais de ouro, e no meio dos castiçais alguém semelhante ao Filho do Homem, vestido [com uma túnica] até os pés e cingido no peito com um cinto de ouro. Em Sua mão direita tinha sete estrelas, e de Sua boca saía uma espada afiada de dois gumes" (Ap 1:12-13.16; ver também Ap 2:12).

DUAS ESPADAS - simbolizam a fraternidade, a comunidade e o fato de que não estamos sozinhos nessa luta, temos irmãos com quem podemos contar e que nos acompanham na oração e no crescimento da fé.

SHIELD - um símbolo de defesa, proteção. Deus é nosso escudo e nossa defesa, e devemos nos tornar um escudo e uma defesa para nossos entes queridos, nossa família e os valores cristãos que representamos todos os dias.

Algumas citações:

"Ó Senhor, meu refúgio e fortaleza, meu libertador, meu Deus, minha rocha em que me refugio, meu escudo, poder da minha salvação e da minha defesa!" (Sl 18:3)

"Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Pois não lutamos contra a carne e o sangue, mas contra as Entidades, contra as Autoridades, contra os dominadores do mundo destas trevas, contra os elementos espirituais do mal nas alturas celestiais. Portanto, tomem toda a armadura de Deus, para que no dia mau vocês possam resistir e permanecer firmes, tendo lutado contra tudo. Fiquem de pé [para a batalha], tendo cingido os lombos com a verdade e se revestido da armadura da justiça, e calçado os pés para anunciar as boas novas de paz. Em todas as situações, tomem a fé como um escudo com o qual vocês poderão apagar todos os mísseis brilhantes do Maligno. Tomem também o capacete da salvação e a espada do Espírito, isto é, a palavra de Deus" (Ef 6:11-17).

WINOROSL - Símbolo do fruto produzido, do nosso crescimento na fé e da escalada em direção à salvação, em direção a Jesus. Um símbolo de sermos enxertados no Corpo Místico de Cristo.

ESTRELAS - Uma referência às estrelas na coroa de flores da Mulher do Apocalipse. Como afirma a Sabedoria de Sirach: "A magnificência das estrelas é a beleza do céu, um ornamento brilhante nas alturas do Senhor. Ao comando do Santo, elas aderem ao Seu julgamento e não se cansam de servir aos seus guardas" (Sir 43:9-10).

TOTUS TUUS - Sou todo seu, Mary!

IMAGEM DE MARYA - Uma mulher jovem e bonita que nos deslumbra com sua beleza, seu charme, sempre apontando e conduzindo-nos a Jesus. Cheia de Graça - Kecharitomene.


Anexo 1
Palavras do Juramento da Guerreira Maria proferida durante a Cerimônia de Juramento de Passagem da Espada:

Diante de Deus Todo-Poderoso e do Santíssimo Virgem Maria Auxiliadora Os fiéis, todos os anjos e santos, especialmente São Miguel Arcanjo e a vocês, meus irmãos, imponho minhas mãos sobre a Cruz e sobre a Palavra de Deus, que é a Espada de Deus. Espírito.

Segurando uma espada, o símbolo de minha luta espiritual pela salvação de minha alma, meus entes queridos e todas as pessoas a quem a Santíssima Virgem Maria me envia Virgem, eu me comprometo a entregar toda a minha vida a Jesus Cristo, meu Senhor e Salvador, pelas mãos e pelo Coração da Bem-Aventurada Virgem Maria.

Comprometo-me a lutar contra meus pecados, meus vícios e tudo o que me afasta de do Amor de Deus e do homem.

Comprometo-me a defender a Igreja Católica, os valores mais elevados da vida Cristianismo, casamento e a família cristã.

Mary, eu sou todo seu. Meu tudo é seu. Use-me apenas como para a edificação do Reino de Deus na Terra e para a vitória total sobre o maligno. Satanás.

Totus Tuus, Maria. Amém.

Anexo 2
Conversa fraterna

Uma vez por ano, os candidatos que desejam ser considerados para o Mary's Warrior Pass devem ser aprovados em uma entrevista fraterna.

A cada ano, o Coordenador do Movimento nomeia uma pessoa experiente - um Passed Mary Warrior que seja membro do Conselho de Coordenadores ou um Líder Regional - para ser responsável pela preparação e condução da entrevista fraterna. Essa pessoa, em consulta com o Moderador do Movimento e com o Coordenador do Movimento, prepara o processo de verificação dos candidatos para a Passagem.

O processo de avaliação de candidatos envolve garantir que o candidato atenda a todos os requisitos para a formação espiritual e humana (§8 e §15) e que esteja totalmente pronto para fazer o Juramento da Espada.

A forma e a implementação das palestras da fraternidade são decididas individualmente a cada ano.

Anexo 3
Código da Guerreira Maria

Código da Guerreira Maria - documento que contém informações sobre os princípios do Movimento para o ano de formação, o organograma atual do Movimento, informações organizacionais, regras para a criação de novos grupos, as tarefas e responsabilidades dos Líderes e sacerdotes, uma explicação sobre quem é uma Mary Warrior, informações sobre como se tornar uma Mary Warrior, o Hino da Warrior e o Ato de Confiança.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

O site usa cookies. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais